X2 Inteligência Digital

A inteligência artificial na saúde contra o Covid-19

Enquanto a saúde corre contra o tempo, a IA embala para que esse tempo seja o menor possível, e esse é um dos fatores que a inteligência artificial tem se destacado e beneficiado médicos e pacientes.

Queremos mostrar como a IA vem atuando na área da saúde e principalmente na busca de combater o Covid-19.

Como não falar de algo que estamos vivenciando tão intensamente, tratando-se da Covid-19, uma doença que pode causar desde resfriados a uma síndrome aguda, que pode ocasionar complicações respiratórias, e tem se tornado um alvo na saúde.

O que a inteligência artificial pode fazer hoje na saúde? Sendo uma grande ferramenta na análise de exames, que hoje atua através de softwares capazes de prever diagnósticos de análises laboratoriais e de imagem.

Focados cada vez mais em investir a IA na saúde para que esses procedimentos sejam executados em menor tempo, com laudos que apresentam maior precisão e transparência.

Estamos avançando e a tendência é fazer com que esse processo seja breve, o que em muitas áreas já está sendo. E na saúde prevendo melhorias dentro de hospitais, leitos, exames, otimizando procedimentos e descobertas de doenças que sem a tecnologia, nem o ser humano seria capaz de prever sozinho.

Vamos saber como a inteligência artificial pode atuar na saúde, ainda mais em um momento como esse que estamos contra um vírus, necessitamos dessa tecnologia para nos auxiliar na saúde. Confira!

IA prevendo insuficiência cardíaca

Cada vez mais a inteligência artificial faz sentido na saúde, com descobertas que podem salvar vidas. O caso do novo adesivo que é capaz de saber antes mesmo que ocorra uma insuficiência cardíaca, em pacientes que podem possuir doença cardiovasculares.

Especialistas desenvolveram com a inteligência artificial um protótipo que prevê a insuficiência cardíaca em pacientes, um adesivo que examina através de um sensor, monitorando o ritmo cardíaco dos pacientes com base na frequência respiratória, qualidade de sono e atividade física.

E tudo isso é enviado para um dispositivo via Bluetooth, que passa por uma análise pela IA e examina esses dados, dando um diagnóstico de cada paciente conforme os sinais apresentados, e com ele estimasse a redução do índice de internações e hospitalizações.

Uma síndrome crônica que atinge o coração causando incapacidade de bombear sangue como deveria. Segundo a Sociedade Brasileira de Cardiologia é uma doença que atinge cerca de 2% da população, responsável por um alto índice, aproximadamente 240 mil pessoas são diagnosticadas com insuficiência cardíaca no Brasil.

IA na busca do Covid-19, através da tomografia

Por ser uma doença que ataca os pulmões, a tomografia computadorizada é um dos principais exames para um diagnóstico conclusivo, apresentando se o paciente possui ou não Covid-19, e com uma avaliação feita pela IA esse processo se torna mais preciso.

Foi construída uma base de dados com o intuito da IA desenvolver seu papel em um momento tão importante, pesquisadores reuniram cerca de cem tomografias, de pacientes que apresentaram Covid-19.

Partindo disso, profissionais e hospitais acrescentaram diagnósticos de imagem, levando a construção de algoritmos, para que dessa estrutura a inteligência artificial possa aprender e se desenvolver.

E podemos contar com a leitura do exame feito pela inteligência artificial, dando aos radiologistas quais são as áreas da tomografia que apresentam ser mais suspeitas, lembrando que para realização do exame o paciente precisa apresentar os sintomas.

IA nos leitos da UTI

E em meio ao caos que essa pandemia está causando na saúde, veio o que mais temíamos: A falta de leitos e vagas na UTI para atender a essa demanda que não é só no Brasil, pois vem crescendo em muitos países como Itália e Espanha.

O que diferencia de um país para outro são os critérios de avaliação na qualificação da internação, e é aí que entra a inteligência artificial. Foi desenvolvido um sistema composto por dados e algoritmos, com objetivo de auxiliar profissionais na tomada de decisão da triagem na UTI.

E que a IA pudesse se fundamentar a qual decisão é mais válida, foi utilizado critérios e parâmetro estabelecido pelo CFM – Conselho Federal de Medicina, e a Amib – Associação Brasileira de Medicina.

Essas definições são tomadas com base em 4 perguntas, que são padronizadas e respondida pelo profissional que solicitou a vaga na UTI, com base nas respostas o paciente é classificado como risco ou não, entrando na classificação de risco com a concessão da vaga.

A Inteligência Artificial precisa estar presente em todos os setores e principalmente na saúde, buscando solução para muitos tratamentos e procedimentos. Quer saber mais sobre o assunto? Estamos à disposição, conte com a X2 Inteligência Digital!

Fale com um especialista!

Integração
Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!
Compartilhar

Inscreva-se em nossa Newsletter:

Integração
Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!
Tags: | | | | |